15.6.09

Niponização: a crise seria um pesadelo prolongado

Paul Krugman talvez esteja a tentar jogar nesta crise o papel de Keynes, o que não é fácil. Certo é que tem vindo persistentemente a falar sobre o risco de transformação da primeira grande crise do século XXI numa depressão prolongada e da dificuldade dos mecanismos conhecidos da política económica para a conter. Agora recorda que a crise do Japão demorou um década a reabsorver e prevê que esse cenário possa voltar a acontecer agora, nomeadamente na dimensão de recessão d comércio internacional desta crise. A "niponização" do comércio mundial seria um pesadelo prolongado e aterrador para os portugueses que já vêm de uma década de estagnação e são uma pequena economia aberta, dependente do seu sector exportador. Nesta entrevista, publicada ontem no The Observer e que me chegou pela twitter portuguesa que mais de perto acompanha as notícias da crise, Zinha Pinto Bull, o risco de o pesadelo se tornar realidade parece existir para além do risco de vedetismo do autor da tese.

2 comentários:

Paulo Sempre disse...

Passei por este blogue. Interessante. Hei-de Voltar.

Abraço

Duarte Gouveia disse...

Será que portugal resiste à crise financeira, crise económica, crise social e possível crise política?

http://www.duarte-gouveia.info/2009/06/uma-crise-pior-do-que-a-do-japao/