15.5.08

Pop, swing e Garbarek

Esta noite fui ver o Jan Garbarek Group featuring Manu Katche, no Palácio Nacional da Cultura de Sofia. O concerto teve momentos de jazz, mas abriu bastante eléctrico e fechou a swingar, para voltar ao cânone Garbarek no encore. Nunca tinha ouvido esta formação, cuja dinâmica se aproxima mais da pop que do jazz. O primeiro protagonismo foi da bateria. Mas Manu Kache não faz o meu estilo. É (ou foi aqui) demasiado seco, muito enérgico mas pouco subtil. O melhor desta fase acabou por ser o "solo a trio" do baixo, que gravou ali mesmo o refrão e uma segunda frase e sobrepôs o solo propriamente dito à repetição do ritmo. O concerto já levava quase uma hora quando passou a uma fase zen: a tela que fazia de cenário passou de tons azuis a laranja e brilhou o dueto saxofone-piano. O piano pensativo e a harmonia das escalas do saxofone deram-me os melhores momentos da noite. À medida que a segunda hora de música avançava, os sons abriram-se a um pop festivo em que a bateria voltou, francamente mais a meu gosto, e os músicos swingaram, enquanto a tela ruborescia. Foi pena que não tenha resultado a passagem pelos sons folk, porque ao momento da flauta campestre faltaram outras percussões. No fecho, ouviu-se o cânone Garbarek e o encore foi, naturalmente, do líder. Sem ser um concerto fabuloso, a noite passou-se bem. Reparo no ócio, que a banda passou, no ano passado, pelo Guimarães Jazz.

1 comentário:

A. M. disse...

Satisfeito por ter notícias. De facto, a Europa é contagiante. ARA