8.4.09

Se os socialistas vencerem para o PE, não há razão para manter Barroso

A presidência da Comissão Europeia deve reflectir os equilíbrios políticos na Europa. Se os socialistas vencerem as eleições de Junho, não vejo porque hão-de conformar-se com um candidato a Presidente da Comissão vindo da direita. Por isso, parece-me lógico que apoiem um candidato próprio . Se a nacionalidade e não as ideias fosse o primeiro critério de escolha de um candidato a Presidente da Comissão, então estaria plenamente demonstrado quanto a Europa não existe. Li até aqui o apoio do Governo português a Durão Barroso apenas como a garantia de que, caso caiba ao Partido Popular Europeu escolher um candidato, o Governo português não inviabiliza essa candidatura, apesar de ser de esquerda. Não me entusiasma, mas é aceitável. Daí até fazer dele o candidato dos socialistas portugueses vai uma distância que nem precisariamos de recordar a Cimeira dos Açores para saber quanto é grande.

2 comentários:

Anónimo disse...

Sou socialista e penso que a posição que o PS está a assumir sobre Durão Barroso é a mais correcta.
Se o Partido socialista europeu tiver a maioria dos mandatos em Junho, deverá apresentar o seu próprio candidato e nessa ocasião os deputados portugueses, então eleitos tomarão as suas decisões. Mas o Estado deve apoiar à partida um português para se candidatar...
Mas certamente o Durão Barroso não seria a melhor opção... do mal o menos!

João Vargas disse...

Penso que a ideologia e o carácter de um candidato sobrepõe-se à nacionalidade. É um contrasenso no século XXI e na lógica da União Europeia, o governo ou o PS apoiar Durão Barroso. Este é um dilema que claramente faz trazer à superfície a natureza de um europeu. O PS apoiará um liberal, incompetente, frouxo que por acaso, também é português.