13.5.10

Posso votar contra a senhora Merkel nas próximas eleições?

A Europa, hoje governada à direita, escolheu uma resposta ao ataque especulativo ao Euro que sacrifica completamente o crescimento económico e o emprego à contenção orçamental em passo de corrida. É o tipo de ajustamento que o FMI impunha na América Latina nos anos oitenta com os resultados que se viu e que a Irlanda está a aplicar agora a si própria com os resultados que se estão a ver. Contudo, perante esta guinada inesperada - ainda há pouco era corrente na Europa dizer-se que não podia retirar-se os estímulos à economia cedo demais - José Sócrates pouco mais pode fazer do que adaptar-se, procurar os aliados adequados (e necessários ao governo minoritário que Portugal tem) e escolher, de entre as possíeis, as medidas que minimizam os efeitos adversos ou, pelo menos, os distribuem do modo menos injusto que for possível.
De passagem, esta aceleração das restrições orçamentais deixa uma vítima interna na estrada porque demonstra que para efeitos de contenção orçamental, o ataque ideológico que o governo do PS perpetrou ou deixou perpetrar ao rendimento social de inserção, ao subsídio de desemprego e ao subsídio social de desemprego é totalmente irrelevante e só servia realmente outros fins.
Mas no que mais importa, o caminho que a Europa seguiu não é apenas o dos sacrifícios desnecessários dos portugueses, é o de enfiar-se num buraco recessivo onde ela podia não ter-se metido e que afectará mais certas regiões do que outras. Nisso,  o que me irrita é que eu, cidadão português e europeu, não possa estar com o meu voto entre os que escolhem o governo da Europa que toma estas decisões. Assim, a senhora Merkel só tem que preocupar com os votos da Renânia do Norte. Como votam os portugueses e os espanhois é-lhe indiferente.

7 comentários:

MFerrer disse...

Tem razão Paulo, acho que não gostamos de sucedâneos de políticas de esquerda, nem esperaramos que a direita as implemente!

Porfirio Silva disse...

Podes votar para o Parlamento Europeu, como fazes. Não podes é perder, como tens perdido até agora. Tu e eu: os socialistas.

Anónimo disse...

Seria posivel trabalhar para um grande acordo entre todos os partidos da opusição,para resolver os graves problemas desta nossa cidade que é Amada Jorge D

@zulebranco disse...

Bom dia Paulo,

Apenas umas deixas para reflexão.

Não sou da área económica apenas tenho uma licenciatura em Sociologia, no entanto no meu pouco entendimento observo que nos colocámos a jeito das especulações dessas agências de ratring ao serviço do capital e como sequência a resposta da EU governado por interesses idênticos.
Nós socialistas somos culpados de toda esta situação, primeiramente por não termos maioria no parlamento europeu para fazer vingar a nossas ideias.
Em 2ª. Lugar nas nem por isso menos importante, porque nos países onde temos ou tivemos maiorias confortáveis ou mesmo absolutas, não termos governado com rigor pela esquerda sem cedências aos grupos económicos que emergem.
O rigor pelo direito ao trabalho quanto a mim é mais importante que o RSI, assim como as reformas dos nossos pensionistas deviam ser vistas doutra forma.
Sem investimento e não há progresso nem consumo a sociedade estagna….será que o governo e a Europa não sabem?...

PS- Se a determinação vem da EU como o camarada diz, então para que precisamos de governo nacionl

@zulebranco disse...

Quando se lê EU deveria ler-se UE ou seja União Europeia,
Minhas desculpas pelo lapso

Abraço

Francisco Tavares disse...

A Senhora foi criada e viveu em território sob influência da ex-URSS. Não sei se não gosta da Península Ibérica. Talvez não goste de os eleitores terem escolhido governos socialistas! Mas quem aproveita são países como a República Checa (exporta 36% para a Alemanha, Basílio Horta dixit) o que ocasiona as fanfarronadas pouco diplomáticas do seu presidente, Vaclav Klaus.

João Pala disse...

Disse Blustein sobre o FMI:”esse pessoal arruína um país com a calma de quem joga fora um jornal lido”.
Sobre este assunto e outros (alfândegas, Comercio e economia internacional) e fruto da admiração que tenho por si, peço-lhe que acompanhe o blogue http://aduanapt.blogspot.com/search/label/FMI.
Cumprimentos
João Pala